Cerveja tem os mesmos benefícios para o coração que o vinho, diz estudo

02/10/2019
Imagem retirada de https://veja.abril.com.br/saude/cerveja-tem-os-mesmos-beneficios-para-a-saude-que-o-vinho-diz-estudo/
Imagem retirada de https://veja.abril.com.br/saude/cerveja-tem-os-mesmos-beneficios-para-a-saude-que-o-vinho-diz-estudo/

Ao fim de um dia cansativo de trabalho, muitas pessoas saem com os colegas de trabalho para curtir um happy hour com alguns copinhos de cerveja para ajudar a relaxar. Outros optam por vinho pela fama trazer algum benefício à saúde. Muitos estudos dizem que o consumo moderado de bebida alcoólica pode trazer benefícios à saúde, incluindo na redução de riscos cardíacos. Pensando na saúde, outra dúvida surge: vinho ou cerveja, qual é o mais saudável?

Segundo especialistas, cerveja é tão saudável quanto o vinho – se consumida de forma moderada. Ou seja, até um copo (ou taça) por dia para as mulheres e dois para os homens. A diferença dos benefícios está no tipo de bebida: o vinho tinto é melhor do que o vinho branco. Já a cerveja artesanal é mais benéfica do que a tradicional.

E quais são as vantagens de cada uma delas? A ciência explica.

Vinho
A fama do vinho como uma bebida saudável vem de muito longe. Na década de 1980, pesquisadores notaram que os franceses mantinham uma dieta mais rica em gordura saturada e colesterol e, ainda assim, tinham taxas mais baixas de doenças cardíacas e morte prematura do que o esperado para pessoas com dietas gordurosas.

Ao investigar a alimentação, os cientistas chegaram a uma conclusão: o vinho era o fator de proteção. Uma das primeiras pesquisas a trazer a confirmação foi publicada em 1992. Segundo a equipe que investigou, o consumo de vinho e outros tipos de álcool poderia prevenir ou reduzir bloqueios nas artérias. Alguns anos depois, outro estudo descobriu que beber vinho reduzia o risco de mortalidade.

Diante desses resultados, os cientistas decidiram investigar o porquê de o vinho ser benéfico. Um trabalho de 2006 identificou uma possível causa: o resveratrol. De acordo com a equipe de investigação, a uva é composta de polifenóis – substâncias com propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. Entre os polifenóis mais importantes estaria o resveratrol – muito presente no vinho tinto. Por causa desta descoberta, surgiu a crença de que o vinho tinto era mais saudável do que o branco.

Alguns pesquisadores não estavam tão seguros sobre a importância do papel do vinho na saúde e resolveram investigar os consumidores de vinho. O estudo, realizado em 2006, descobriu que as pessoas que preferem vinho tendem a consumir mais frutas, vegetais e alimentos saudáveis em geral em comparação com aqueles que preferiam outros tipos de bebida alcoólica. Ou seja, talvez o vinho apenas acompanhasse hábitos mais saudáveis.

Cerveja
Quando descobriu-se que o tipo de alimentação poderia ser o x da questão, muito mais do que o tipo de bebida consumido, pesquisadores decidiram analisar consumidores de cerveja cuja dieta era bem controlada. Os resultados mostraram que em quantidades moderadas a cerveja é tão benéfica para o coração quanto o vinho tinto. “O vinho tinto tem sido a bebida alcoólica mais estudada. No entanto, estudos epidemiológicos e ensaios clínicos recentes revelam relações semelhantes para a cerveja”, disse na época Demóstenes Panagiotakos, da Universidade Harokopio, na Grécia, à revista Time.

Estudo anterior já havia descoberto que o consumo de cerveja artesanal é melhor para reduzir a incidência de doenças cardíacas e diabetes em comparação com a cerveja tradicional e outros tipos de bebida alcoólica, incluindo o vinho tinto. A explicação para esse resultado está relacionado ao fato de que a versão artesanal não é pasteurizada nem filtrada e, portanto, contém maior quantidade de compostos vegetais, leveduras, bactérias, vitaminas e minerais com maior potencial benéfico para a saúde.

Zero álcool
Sabe-se que o consumo excessivo de bebida alcoólica pode promover uma série de doenças, incluindo dependência química, câncer, doenças hepáticas e problemas cardiovasculares. Portanto, aconselha-se que o consumo seja sempre moderado. Ainda assim, dois estudos recentes indicaram que os supostos benefícios do consumo do álcool não são maiores que os prejuízos causados por ele. Desta forma, a recomendação seria para não consumir bebida alcoólica de jeito nenhum.

A escolha
Com todas as informações em mãos, cada pessoa pode escolher o que melhor se adapta a sua realidade e gosto. Aqueles que preferem o sabor mais suave do vinho, pode continuar tomando ele – sempre em moderação. Já os apaixonados por cerveja não precisam mudar de time. E aqueles que não consomem nenhum tipo de bebida também podem se sentir seguro.

Enquanto não houver consenso científico em torno do álcool, a preferência pessoal – e o bom senso – é o que deve prevalecer.

Fonte: Veja.com