Cerveja cuiabana leva o bronze na 7ª edição da Copa Cervezas de América

24/10/2018
Imagem retirada de https://www.rdnews.com.br/cultura/conteudos/106696
Imagem retirada de https://www.rdnews.com.br/cultura/conteudos/106696

A Cerveja cuiabana Benedita Furrundu Stout conquistou neste final de semana, em Santiago, no Chile, a medalha de bronze em sua categoria na mais importante competição cervejeira do continente. A medalha foi concebida na sétima edição da Copa Cervezas de América e competiu com 1685 cervejas avaliadas por um júri especializado, durante três dias.

A categoria American Stout revelou os vencedores na noite de sábado (13). O Brasil levou os dois principais prêmios do concurso, entre eles, o de melhor cerveja da América, com a La Culotte De La Duchesse, da cervejaria Pratinha, de Ribeirão Preto (SP), e o de melhor cervejaria Americana, com a Wäls, de Belo Horizonte (MG).

Além dessas classificações, o país também liderou o quadro de medalhas, somando 67 entre ouro, prata e bronze. Argentina ficou em segundo lugar, com 42, seguida do Chile com 18 e Estados Unidos com 13.

“Cada País, por meio das cervejas, trouxe para a Copa a sua própria identidade", afirmou Daniel Trivelli, presidente e cofundador da competição.

Benedita
Com adição do tradicional doce cuiabano furrundu em sua receita, a Benedita foi criada em 2012 pelos jornalistas Anselmo Carvalho Pinto e Rodrigo Vargas, ainda como cerveja caseira. Em 2015, passou a ser comercializada.

Desde 2017, a empresa mantém uma parceria com a Cervejaria Louvada, que é responsável pela produção da cerveja a partir da receita dos dois jornalistas.

"Para nós, que vimos essa cerveja nascer como uma modesta produção caseira, esse reconhecimento é motivo de muito orgulho e um sinal de que essa cuiabaninha tem potencial para ir mais longe", diz Vargas.

“A Louvada está muito feliz. A premiação mostra que a gente apostou em uma cerveja de qualidade. Agora, com a expansão da fábrica, a perspectiva é que a gente leve a Benedita para o Brasil inteiro. Para que todos no Brasil possam experimentá-la. Aliás, não só no Brasil, já que estamos com projeto de exportação”, afirma Ygor Quintela, um dos sócios da Louvada, que inaugura sua nova unidade em novembro.

Fonte: RD News